segunda-feira, 17 de dezembro de 2012

MOLECA = Autoria desconhecida

Moleca
Ser moleca é caminhar sem se prevenir. Olhar sem se preocupar. Correr sem olhar para trás. Ser moleca é usar decote em dia frio, andar descalça na areia molhada, é rir tanto, mas tanto, que dói a boca e dá falta de ar. É jogar bola com os amigos, chegar suada em casa e com cabelo na boca. É pular muro para ver o vizinho. É cantar bem alto no sábado de manhã. Ser moleca é gritar no travesseiro, comer sorvete tão rápido que chega a dar dor de cabeça. É ir sozinha no cinema, ficar boba com o neném no carrinho. É desenhar corações no caderno de matemática. Ser moleca é olhar para os homens com ar de ingenuidade, ser carinhosa e bruta ao mesmo tempo. É correr de salto alto, borrar a maquiagem, fugir do inspetor do colégio. Ser moleca é lamber os dedos depois de comer pipoca doce, escrever bilhetinhos de amor, chorar calada no quarto. É viajar sem falar com a mãe, rasgar fotos de ex-namorados, tirar fotos com namorados novos. Ser moleca é dançar sem música, colar na prova de português, abrir o olho enquanto está beijando. É vestir-se de homem em festa junina, abraçar com vontade, sentir saudade quando menos se espera. Ser moleca é roubar doce na padaria, bater a porta quando está zangada, falar de sexo com as amigas. É deitar na grama, pegar chuva despreocupada, sorrir com bala presa no dente. Ser moleca é subir em árvore, tentar tocar violão, ficar apaixonada pelo galã da novela, ficar apaixonada pelo galã da sala ao lado, ficar apaixonada pelo não tão galã irmão da sua amiga. É pular para entrar na calça jeans, arranhar o joelho, quebrar a unha. Ser moleca é sonhar em passar no vestibular. É ficar bêbada e não se lembrar no dia seguinte, trabalhar em loja de roupas, transar no elevador. E na escada. E na praia. E mais onde der. Ser moleca é falar de filosofia no bar, indignar-se ao ver um mendigo, construir um mundo melhor. É estar feliz e triste na festa de formatura, procurar emprego, querer morar sozinha. Ser moleca é falar com um cara no elevador, trocar telefone, usar véu e grinalda. É reclamar do salário, perder a conta de luz, jantar a luz de velas. É andar de mãos dadas no parque. Ser moleca é sentir vontade de comer morango às quatro da manhã, escolher um nome, comprar fralda. É chorar sem ter porquê, dizer eu te amo, dormir abraçados. É viajar para a serra, bater queixo de frio, tomar chocolate quente. Ser moleca é levar no colégio, olhar dever de casa, reclamar com a professora. É botar band-aid, dar dinheiro pro lanche, comprar camisola transparente. Ser moleca é esperar acordada no meio da noite, ganhar flores, ser simpática com a futura nora. É ficar na fila do banco, fazer palavra cruzada, ver novela das oito. É entrar pela porta da frente do ônibus, jogar baralho com as amigas, é rir tanto, mas tanto, que dói a boca e dá falta de ar. Ser moleca é viver tão intensamente que o tempo se transforma em um mero detalhe

SINTO-TE A FALTA - Autoria desconhecida

Sinto-te a falta!
Daquilo que um dia foste.
Na minha pele, e no meu Ser.
Sinto-te a falta!
Daquilo que me deste a sentir.
Sinto-te a falta!
Dos teus lábios que nunca beijei
Da tua pele que nunca acariciei
Dos teus abraços que nunca senti...
Sinto-te a falta!
Daquilo que um dia me fizeste sonhar,
e hoje.... apenas me fazes duvidar...
Duvido de mim, do que sinto, mas não do que sou.
Sou aquilo que poderias ter...
Não me percas...
Não me libertes...
Sinto-te a falta!
Dos sorrisos que me soltaste
Das gargalhadas livres e felizes que me fizeste dar.
Sinto-te a falta!
Daquilo que nunca tive, e apenas me limitei a sonhar...
A sonhar que um dia me iria abraçar, e dizer-me ao ouvido...
Sussurrar a tua liberdade na minha Alma
Perder-me nas tuas palavras como sempre me encontrei.
Sinto-te a falta....
Sinto-te a falta.... e tudo o que eu queria era te abraçar...
Perder-me em ti, para sempre me encontrar.
Sinto-te a falta!

quinta-feira, 29 de novembro de 2012

VOCÊ - Vilma Galvão.


Hoje ao acordar, senti sua falta,
senti que minha vida, já não era a mesma.
Sem você aqui, nada pode estar por inteiro,
sempre me faltará um pedaço,
sempre me faltará o seus olhos, vigiando o meu dia.
O seu sorriso, refletindo o meu sorrir.
A sua calma, ninando a minha loucura.
O seu carinho, saciando os meus desejos.
A sua presença, completando tudo em mim.

Senti que sem você, eu não posso ficar,
que não conseguiria seguir a vida sem tê-lo ao meu lado.

Você entrou no meu caminho de forma tão repentina,
e em tão pouco tempo, entrou por inteiro...
Mudando tudo,
me devolvendo um felicidade há muito tempo perdida.
Movimentando um lado meu que eu já nem percebia,
o meu lado sonhador e de sentir esperança na vida.

Você conseguiu transformar tudo.
em silêncio, sem nada pedir, sem avisar,
sem medo da minha recusa.
Se instalou em meu coração de uma forma serena,
e quando percebi, já estava te amando.

Senti saudades de você ao acordar,
e esta saudade se arrastou o dia todo,
e por mais que eu tenha tentado,
você não me saiu do pensamento.

Estar te amando assim é bom demais,
não quero deixar de sentir tudo isso,
não vou mais fugir deste sentimento.
Não quero,
não posso,
não preciso fugir mais deste amor,
porque é muito bom,
porque me faz sorrir,
porque me devolve a vida a cada manhã,
porque é tudo o que eu procurei por tanto tempo...

(repasse com os devidos créditos)

terça-feira, 30 de outubro de 2012

LISPECTOR CLARICE

“Acredito que as pessoas aprendem com os próprios erros e com o tempo. Acredito também que quem traiu uma vez e foi perdoado vai trair de novo. Acredito que aquelas pessoas que vivem falando mal dos outros vão falar mal de você com esses outros. Acredito que as pessoas só mudam por vontade própria e nunca pelo pedido de outra pessoa. Acredito que tudo que eu acredito hoje vai mudar com o tempo. E que, no futuro, talvez, eu acredite em menos coisas. Ou em nada mais.”
(Clarice Lispector)

DA FALTA QUE VOCÊ FAZ DE QUEM JÁ FOI

Me perguntam sobre você e já nem sei dizer. Não te perdi de vista, mas me perdi de você. Vasculho meu coração tentando interpretar o que sinto quando o assunto é você. Não te amo mais. Digo e repito, todos os dias. Talvez pra que eu mesmo possa acreditar nisso. Mas é que amor, meu bem, amor precisa da gente por perto, da gente alimentando nosso dia a dia, nossa vontade de abraçar o mundo inteiro e colocar o outro lá dentro. No meu caso, o outro é você. Mas é que você não está aqui entende?! Na verdade eu não sei nada sobre a falta que você faz. Mas sei muito sobre a falta que faz quem você foi. Já faz tanto tempo. Me falta você no meu dia a dia, nas minhas manhãs de chuva quando o teu abraço apertado me protegia da tempestade que escorria pela janela. Me falta você no supermercado quando procuro nutella pra comer com biscoito de madrugada. Me falta você no calçadão em dia de lua bonita. Me falta sua mão na minha quando eu caminho. Me falta o seu cheiro no travesseiro, no lençol, na minha roupa. Me falta você na fila do cinema, me falta você na balada de sábado com os amigos, quando o melhor amigo sempre foi você. Me falta você pra me levar pra casa, me perguntar o que quero comer e se aguento ficar acordada mais um pouco. Me falta você em meus dias tristes pra ouvir seu tom de voz calmo e confortante que me acolhia a alma inteira de uma vez só. Me falta você nos dias alegres, nas boas notícias que não te tenho mais pra dividir. Me falta você nas minhas birras, nas minhas crises, o seu colo. Me falta você nos programas de família, nos jantarzinhos surpresa, nas flores sempre diferentes. Me falta você no meu aniversário, na virada do ano, no meu álbum de formatura. Me falta você nas mensagens do meu celular, nas ligações que recebo antes de dormir. Me falta você quando o mundo tá girando lá fora e continua tudo parado aqui dentro. Nada permanece inalterado. Você nem é mais nada do que me falta.
Mas a falta que sinto é de você. É a falta que faz quem você foi.
Por, Janaína S.

DEIXA - LORY CAPITU


Deixei a chave do lado de fora da porta. E ele entrou. Deixei minhas armadilhas ao lado da cama, e ali ele logo se deitou. Deixei meu coração sem defesa por um instante – e ele o arrebatou.

Aqui estou, tarde longa de domingo distraído, quase sem vento, quase sem solidão, à espera de uma sensação qualquer que possa ordenar a multidão de vontadezinhas e pensamentozinhos e fantasiazinhas e pedacinhos tortos de mim mesma espalhados nessa bagunça sem-fim. O telefone não vai tocar, o e-mail não vai chegar. Nem virão a carta, o verso, a foto, o postal. Me escapam a inspiração e o apetite; mas não há fome nem dor, apenas um leve calor de carne que existe, de sangue que corre, de desejo que acende, de mulher que ama. Falta ele, e ele faz falta.

As horas se arrastam para fazer companhia à minha espera. Drummond repousa na mesa de cabeceira, repetindo: reserve-se toda para as bodas que ninguém sabe quando virão, se é que virão. Aperto os lábios abortando um quase-soluço, tropeço na saudade e sujo as paredes com certas canções lacrimosas. Ele faz falta.

Deixei um mapa especialmente feito para ele, mas ele não voltou.

sexta-feira, 12 de outubro de 2012

CARTA AO AMADO

Gosto dos momentos em que você está comigo,
gosto de dividir meus dias e meu espaço com você,
gosto quando você se arvora de meu protetor e me toma conta,
gosto das coisas que me diz, gosto quando me toca...
amo a sua naturalidade, a sua simplicidade
e quando divide sonhos e segredos comigo...

Não importa se há muita gente em volta,
- ficamos sozinhos, sempre...
Não importa se são poucos minutos
ou dias inteiros,
- para nós basta um momento...
Não importa se a intimidade fica longe,
por motivos alheios ao nosso desejo
- ela se faz pelo nosso olhar...

... E quando você se vai, fica em mim uma sensação gostosa,
que solidão parece nunca existir...
Não me lembro ter sentido em toda a minha vida de mulher
uma sensação que se assemelhe ao que sinto agora:
de acanhamento, de completude, de uma felicidade culposa
por estar sendo feliz...

(Quero passar o resto da minha vida com você).
Se os dias que a gente viver lado a lado
forem parecidos com isso que acontece
todas as vezes em que estamos juntos,
a felicidade existe
e eu quero manter o gosto dela
na minha vida...

(Isso é amor?
Então, eu amo você)....

Maria Tereza

sexta-feira, 14 de setembro de 2012

CONHEÇA O QUE É FIDELIDADE

"O cachorro apareceu um dia, sem que ninguém o trouxesse, e começou a dar voltas por todos os cantos até que encontrou o túmulo de seu dono", disse à Agência Efe o diretor do cemitério, Héctor Baccega.
"Capitán", um vira-lata que lembra um pastor alemão, foi dado de presente por Miguel Guzmán em 2005 a seu filho Damián. Em março de 2006, Miguel faleceu e "Capitán" fugiu de casa, mas reapareceu pouco tempo depois e passou a morar nas ruas, perto da residência da família Guzmán por alguns dias.
Depois, sumiu definitivamente, e os parentes de Miguel pensaram que ele tinha morrido ou sido adotado por outra família, até que um dia o reencontraram no cemitério, em cima do túmulo de seu "dono escolhido".
"No domingo seguinte voltamos a visitar o túmulo, e o cachorro estava lá. Dessa vez, ele nos seguiu, na volta, porque tínhamos ido caminhando. Ficou um pouco conosco em casa, mas depois voltou ao cemitério", relatou Verónica, viúva de Miguel.
"Capitán" perambula pelo cemitério e às vezes retorna para a casa de seu dono durante o dia, mas ao entardecer procura o túmulo de Miguel para dormir.
"Ele é muito querido, no começo o chamávamos de 'rengo' ('coxo', em português), porque chegou com uma pata quebrada, mas juntamos dinheiro entre os funcionários do cemitério e conseguimos um veterinário", contou Baccega.
O diretor do cemitério disse que o animal ganhou o carinho de todos que trabalham no local, que o alimentam e mantêm em dia suas vacinas.
A história de "Capitán" lembra a de "Hachiko", o cão da raça Akita que ficou durante anos em uma estação de trem de uma cidade japonesa esperando o retorno de seu dono e inspirou um filme de Hollywood ("Sempre ao Seu Lado", com Richard Gere).

domingo, 2 de setembro de 2012

POEMA PARA TONIQUINHO -DÉBORA DUARTE

.. DÉBORA POR TONINHO ...

"Bem, eu vou apresentar a mulher que eu amo... é tão difícil e é tão fácil... Eu aprendi uma coisa bonita na vida: primeiro, que a beleza é um movimento. Quem me ensinou isso foi Débora Duarte, a mulher que amo muito e que é responsável pelo passo bom que eu possa dar. Olha que responsabilidade que eu estou dando pra baixinha!"

"Hoje eu sou um homem feliz, junto com a pessoa que quero, junto com a família que gosto, junto com aquilo que preciso. Então, ela está aqui do meu lado, as minhas duas metades, as minhas duas partes, Débora Duarte, atriz, poetisa, companheira, baixinha como sempre, e um verdadeiro sabor..."

Antônio Marcos apresenta Débora Duarte no "Especial Antônio Marcos", para a Rádio América de São Paulo, em 1982.






... TONINHO POR DÉBORA ...


"Era uma vez... um homem
Que tentava cativar...
Atravessava o dia desvairado,
Louco entre as obrigações.
À noite, não:
Ele voava pro quarto,
Se estendia no chão,
Falava com seu gato,
Respirava sonhos,
Aspirava pólens...
Um dia, quase virou flor!
No entanto, ele sempre acordava
Antes que se desse o fim do sono,
Sempre suado, suando, lendo, recitando...
E dava pra dizer, dizer, dizer...
Falava sobre a tempestade
E a sua testa era salgada!
Não se acalmava nunca
E só se acalmaria docemente
Quando seu coração fizesse amor de corpo inteiro.
Era um homem que amava lento
E olhava nos olhos.
Depois, pra voltar a dormir,
Antes de chegar o fim do sono,
Ele abria a porta, a janela
E o peito ao vento.
Nada, nunca pedia!
Sendo, tudo teria!
Finalmente dormiria,
Que depois do fim se acorda,
Que o fim do sono
É bom dia!"

Débora Duarte (Poema Para Toniquinho,

terça-feira, 21 de agosto de 2012

TER VOCÊ

Ter você...
é caminhar pela vida confiante...
sem medo de tropeçar
me dás segurança
acalentas sempre meu coração
Sem medo de errar,
mesmo errando,
sem medo de me entregar,
já entregue ao teu coração
Andar pelas flores,
mesmo com arranhões....
Ter você é querer ser melhor,
é querer dar o melhor de mim,
é ver as coisas de uma melhor forma,
é ter força para lutar,
crer, vencer...
viver intensamente
É poder te olhar nos olhos
a cada chegada,
ficar com saudades a cada ida...
Ir com você!
compartilhar sonhos
Ter você é ter a mim mesmo....
É olhar para dentro
bem fundo no meu coração,
nele pulsa você...
bate forte o querer
pulsa você infinitamente
Ter você...
é completar minha vida
é fazer dela uma certeza
e acreditar no amanhã
que chega verdadeiro
transparente feito a nossa existência
intenso...puro...
nosso amor é assim
simples como o nascer sol
complexo como uma noite de luar
Simplesmente eu te amo!
(Fouquet, 30 de outubro de 2010)

segunda-feira, 20 de agosto de 2012

IMAGINE

Imagine
Imagine que não há paraíso
É fácil se você tentar
Nenhum inferno abaixo de nós
Acima de nós apenas o céu
Imagine todas as pessoas
Vivendo para o hoje

Imagine não existir países
Não é difícil de fazê-lo
Nada pelo que lutar ou morrer
E nenhuma religião também
Imagine todas as pessoas
Vivendo a vida em paz

Você pode dizer
Que eu sou um sonhador
Mas eu não sou o único
Eu tenho a esperança de que um dia
você se juntará a nós
E o mundo será como um só

Imagine não existir posses
Me pergunto se você consegue
Sem necessidade de ganância ou fome
Uma irmandade de humana
Imagine todas as pessoas
Compartilhando todo o mundo

Você pode dizer
Que eu sou um sonhador
Mas eu não sou o único
Eu tenho a esperança de que um dia
Você se juntará a nós
E o mundo viverá como um só

SENTINDO SAUDADE

Saudade não se teoriza, se sente.
É presença da ausência.
Mas há saudade e saudade.
Saudade cruel e saudade doce, boa.

A saudade cruel é aquela do que está longe.
Do que vislumbramos, conhecemos até, mas não temos dentro de nós.
Essa dói, machuca, tira o sono, maltrata, rouba o riso, modifica o olhar,entristece. Mas não é saudade, de fato, é falta.
Falta do que, ou de quem não se tem.
Falta, é o verbo que tem cheiro de vazio, é lacuna; saudade é substantivo que se transforma em advérbio de intensidade, intensidade o sentir.

É sensação, é plenitude, é lembrança.
E somos afortunados.
Não há em outra língua verbete para traduzir esse sentimento.

Saudade boa, saudade, saudade, essa é doce.
Dói? Dói sim, mas não é cruel, é uma dorzinha boa de se sentir, leve, que enche o peito, faz sonhar, sorrir, elevar o olhar para o passado, gera suspiros e é, como afirmei, presença da ausência.
Nada torna mais presente o que está ausente do que sentir saudades. Saudade é vida. Só morremos quando esquecidos, quando não somos mais ausentes em ninguém e isso quer dizer que não existimos mais em nenhuma memória. Saudade boa é consciência de algo ou alguém.

Não sentimos nunca saudades do que não nos emocionou, provocou sorrisos, prazer, amor, êxtase, sentimentos verdadeiramente bons. E as músicas, os poemas, os textos, as canções, não servem para outra coisa a senão para traduzir o que não conseguimos definir; para falar por nós, ratificar o que sentimos.
Então, se por acaso lhe vem à mente uma música antiga ou atual, brega ou moderna, se uma paisagem ou um céu estrelado, uma imagem do passado ou de alguém, lhe surgir na mente; ou se um trecho de um poema, de um texto qualquer, lhe provocar um suspiro, e de repente você sentir saudades. Não se espante, nem se entristeça.
Aproveite. Agora se alguém disser que sente saudades de você, comemore duplamente.

Triste é não ter do que ou de quem sentir saudades.
E mais triste ainda é não deixar saudades em ninguém!

**Maktub

quinta-feira, 16 de agosto de 2012

EU GOSTO

Eu gosto quando você chega cheio de amor pra me dar
Gosto quando você vai, cheio de saudades.
Gosto quando você me acarinha sem nenhuma intenção
E gosto quando você me seduz com todas as intenções
Eu gosto do seu jeito de gostar de mim
Gosto das suas mentiras e amo as suas verdades
Gosto dos seus caminhos e das suas estradas
Gosto do seu passado e do seu presente também
Gosto quando você não me diz não e adoro quando você me diz sim
Gosto da sua procura, porque foi através dela que você me encontrou
Gosto da sua insistência e também da sua paciência
Gosto da sua raiva e da sua doçura,
da sua solidão e da sua amargura,
da sua alegria que sempre me contagia
Gosto do seu humor, do seu amor e da sua tristeza
Gosto dos nossos encontros e dos desencontros,
das brigas e das despedidas
Gosto das nossas esperas e das nossas partidas
Gosto do nosso começo e do nosso fim
Eu gosto do seu ciúme infantil e do seu amor maduro
Gosto desse nosso paraíso e desse nosso inferno também
Gosto das suas lembranças e dos seus esquecimentos
Eu gosto quando você me trai com medo de me perder
Eu gosto quando você vai embora, porque sei que vai voltar ..
e gosto quando você volta, porque sei que vai ficar!

® Silvana Duboc

ENQUANTO VOCÊ DORMIA

Enquanto você dormia...
tentei descobrir
a receita da felicidade
para dar a você
em doses homeopáticas
para que ficasse dependente de mim
Esse é o meu lado EGOISTA!


Enquanto você dormia...
Tentei negociar com DEUS
alguns anos de vida
em troca de um par de asas
que me permitisse alçar vôo até você...
Esse é o meu lado SONHADORA


Enquanto você dormia...
aprisionei o vento,
silenciei os sons da noite
e calei os seresteiros
para que o silêncio embalasse seu sono...
Esse é o meu lado ANJO DA GUARDA


Enquanto você dormia...
Apaguei todas as estrelas,
desliguei a lua
Coloquei vaga-lumes atrás das montanhas
E pedi as nuvens para embalar você...
Esse é o meu lado FADA!


Enquanto você dormia...
Encomendei um amanhecer perfeito.
pedi ao sol para despertar depois de você
e iluminar os caminhos do seu dia
Esse é o meu lado BRUXINHA!


Tentei me manter acordada
para sentir o quanto te amo,
até concluir que melhor era dormir
e encontrar você no sonho...
Esse é meu lado CARENTE


Enquanto você dormia eu tecia sonhos
com os fios de lembranças de nós dois,
enquanto meus olhos relutavam entre,
o sonho e o despertar...
Esse é o meu lado SAUDADE!


Enquanto você dormia pensei
numa frase que traduzisse
meu sentimento para que você
lesse enquanto eu dormia.
Esse é o meu lado AMOR!


Já disse hoje, que eu te amo?

segunda-feira, 13 de agosto de 2012

SENTENÇA DE UM JUIZ



Este fato aconteceu em Minas Gerais (Carmo da Cachoeira). O Juiz Ronaldo Tovani, 31 anos, substituto da Comarca de Varginha, ex-promotor de justiça, concedeu liberdade provisória a Alceu da Costa (vulgo "Rolinha"), preso em flagrante por ter furtado duas galinhas e ter perguntado ao delegado "desde quando furto é crime neste Brasil de bandidos?".

O magistrado lavrou então sua sentença em versos. Na íntegra, abaixo, a "sábia" decisão:

No dia cinco de outubro
Do ano ainda fluente
Em Carmo da Cachoeira
Terra de boa gente
Ocorreu um fato inédito
Que me deixou descontente.

O jovem Alceu da Costa
Conhecido por "Rolinha"
Aproveitando a madrugada
Resolveu sair da linha
Subtraindo de outrem
Duas saborosas galinhas.

Apanhando um saco plástico
Que ali mesmo encontrou
O agente muito esperto
Escondeu o que furtou
Deixando o local do crime
Da maneira como entrou.

O senhor Gabriel Osório
Homem de muito tato
Notando que havia sido
A vítima do grave ato
Procurou a autoridade
Para relatar-lhe o fato.

Ante a notícia do crime
A polícia diligente
Tomou as dores de Osório
E formou seu contingente
Um cabo e dois soldados
E quem sabe até um tenente.

Assim é que o aparato
Da Polícia Militar
Atendendo a ordem expressa
Do Delegado titular
Não pensou em outra coisa
Senão em capturar.

E depois de algum trabalho
O larápio foi encontrado
Num bar foi capturado
Não esboçou reação
Sendo conduzido então
À frente do Delegado.

Perguntado pelo furto
Que havia cometido
Respondeu Alceu da Costa
Bastante extrovertido
Desde quando furto é crime
Neste Brasil de bandidos?

Ante tão forte argumento
Calou-se o delegado
Mas por dever do seu cargo
O flagrante foi lavrado
Recolhendo à cadeia
Aquele pobre coitado.

E hoje passado um mês
De ocorrida a prisão
Chega-me às mãos o inquérito
Que me parte o coração
Solto ou deixo preso
Esse mísero ladrão?

Soltá-lo é decisão
Que a nossa lei refuta
Pois todos sabem que a lei
É prá pobre, preto e puta...
Por isso peço a Deus
Que norteie minha conduta.

É muito justa a lição
Do pai destas Alterosas.
Não deve ficar na prisão
Quem furtou duas penosas,
Se lá também não estão presos
Pessoas bem mais charmosas.

Afinal não é tão grave
Aquilo que Alceu fez
Pois nunca foi do governo
Nem seqüestrou o Martinez
E muito menos do gás
Participou alguma vez.

Desta forma é que concedo
A esse homem da simplória
Com base no CPP
Liberdade provisória
Para que volte para casa
E passe a viver na glória.

Se virar homem honesto
E sair dessa sua trilha
Permaneça em Cachoeira
Ao lado de sua família
Devendo, se ao contrário,
Mudar-se para Brasília!!!

(Presente da Áurea Manchini)

domingo, 22 de julho de 2012

A VOZ DO SILÊNCIO



Pior do que a voz que cala,
é um silêncio que fala.

Simples, rápido! E quanta força!

Imediatamente me veio à cabeça situações
em que o silêncio me disse verdades terríveis,
pois você sabe, o silêncio não é dado a amenidades.
Um telefone mudo. Um e-mail que não chega.
Um encontro onde nenhum dos dois abre a boca.

Silêncios que falam sobre desinteresse,
esquecimento, recusas.

Quantas coisas são ditas na quietude,
depois de uma discussão.
O perdão não vem, nem um beijo,
nem uma gargalhada
para acabar com o clima de tensão.

Só ele permanece imutável,
o silêncio, a ante-sala do fim.

É mil vezes preferível uma voz que diga coisas
que a gente não quer ouvir,
pois ao menos as palavras que são ditas
indicam uma tentativa de entendimento.

Cordas vocais em funcionamento
articulam argumentos,
expõem suas queixas, jogam limpo.
Já o silêncio arquiteta planos
que não são compartilhados.
Quando nada é dito, nada fica combinado.

Quantas vezes, numa discussão histérica,
ouvimos um dos dois gritar:
"Diz alguma coisa, mas não fica
aí parado me olhando!"

É o silêncio de um, mandando más notícias
para o desespero do outro.

É claro que há muitas situações
em que o silêncio é bem-vindo.
Para um cara que trabalha
com uma britadeira na rua,
o silêncio é um bálsamo.
Para a professora de uma creche,
o silêncio é um presente.
Para os seguranças de um show de rock,
o silêncio é um sonho.

Mesmo no amor,
quando a relação é sólida e madura,
o silêncio a dois não incomoda,
pois é o silêncio da paz.

O único silêncio que perturba,
é aquele que fala.

E fala alto.

É quando ninguém bate à nossa porta,
não há emails na caixa de entrada
não há recados na secretária eletrônica
e mesmo assim, você entende a mensagem
Martha Medeiros

sábado, 21 de julho de 2012

LÁGRIMAS DA DEPRESSÃO

Por ser uma doença tão incompreendida é que muitos evitam falar. Quem não experimentou, não sabe o que significa não ter forças emocionais para abrir a janela para ver o sol.

O depressivo busca refúgio no isolamento, ele não se sente abandonado, abandona-se, desiste de si, de uma certa forma.

Há pessoas que choram seu destino, mas ao depressivo isso não acontece, pois se chora é porque não consegue ver destino, nem bom, nem ruim, apenas um vazio instalado a alguns metros dos seus olhos.

Falta vontade pra levantar, pra andar, pra sair, pra viver... a única vontade que sobra é a de dormir, pois esta não pede esforço, não exige ajuda e não obriga ninguém a enfrentar o dia.

Na depressão só as lágrimas são companheiras, pois vêem sozinhas e ficam juntas sem tentar consolar e sem fazer perguntas ou exigências. Elas ficam, simplesmente, presentes.

Que a vida é bela eu sei! Ela é bela para quem ri e para quem chora, para quem espera e para quem desespera. Ela é bela quando é noite, quando é dia, quando a chuva canta na janela e os ventos assobiam estranhas canções.

Mas a beleza da vida não é atrativo bastante para encher uma alma de querer, para injetar nela a vida e novas perspectivas. É preciso mais, muito mais que a luz do dia ou a suavidade de uma flor para dar a uma pessoa o desejo de se levantar e recomeçar o caminho.

É difícil buscar forças quando já utilizamos todas as reservas possíveis, mas é exatamente esse o momento de dirigir-nos a Deus, pois se nossas forças físicas parecem mortas, nosso pensamento está bem vivo.

E é quando abandonamos completamente nosso desejo ao desejo de Deus que nos tornamos mais fortes.

Que o depressivo não pense que chegou ao fim do caminho, ele apenas fez uma parada. Há ainda muita estrada pela frente, novas perspectivas e novos horizontes.

Quando Deus toma a direção das nossas vidas é que as janelas começam a se abrir, que nosso coração bate um pouco mais apressado e começamos a encontrar as soluções para o que antes parecia perdido.

Podemos atravessar a dolorosa estrada da depressão, mas chegaremos ao fim dela, pois se sozinhos nos sentimos, sós já não estamos.

A vida continua linda, continua bela. E se já não sabemos mais olhar, Deus nos ensina como abrir os olhos.

Letícia Thompson

quinta-feira, 19 de julho de 2012

ELA É LINDA

© Silvana Duboc


Eu gosto dela tanto,
tenho por ela um encanto
impossível de descrever
e isso aconteceu
desde a primeira vez
que eu a pude ver.
Me lembro que foi por fotografia
num determinado dia
que a vida me parecia
sem graça e sem razão,
numa madrugada fria
sem nenhuma espécie de ilusão.
Logo que meus olhos, os dela, fitaram
de emoção eles trepidaram
e então eu me lembrei;


é essa a mulher das minhas vidas,
aquela que sempre eu amei,
mas quando eu vou revê-la
isso eu ainda não sei.


E então muitos anos se passaram,
alguns falsos amores nos rondaram
até que ela apareceu
e eu me tornei seu
mas faltava ela ser minha,
princesa e rainha,
menina e mulher...
E hoje ela já é tudo que eu quiser.
É minha amiga e conselheira,
minha amante e companheira,
é a única e a primeira
que tomou posse do meu coração
e que me encharca de paixão.
E ela é linda, tão linda
que eu já nem sei dizer
se ela realmente é linda
ou se ela me parece linda
porque fez por merecer.

UMA NOVA CHANCE

Ele: Oi.
Ela: Oi.
Ele: Posso sentar aqui?
Ela: A praça não é minha e a vida é tua.
Ele: Dia difícil é?
Ela: Talvez.
Ele: Como?
Ela: Talvez.
Ele: Não, digo, como assim talvez?
Ela: Gosto desta palavra. Uso quando não quero responder o que perguntam.
Ele: Ah.
Eles ficam em silêncio.
Ele: Aposto que se eu fosse ele, você sorriria pra mim.
Ela: Ele quem?
Ele: O cara que você ama.
Ela: Eu não amo um cara.
Ele: Eu sei que ama, eu te entendo.
Ela: Hum, sofre também?
Ele: O quê?
Ela: Digo, sofre por amor também, que nem eu?
Ele: Não, por amor não. Pela falta dele, talvez.
Ela: Talvez?
Ele: É! Gosto desta palavra. Uso quando não quero aceitar os fatos. Aprendi com uma menina há uns minutos atrás. Ela tem um sorriso lindo.
Ela: Como sabe do sorriso dela? Ela nem sorriu.
Ele: Eu aposto nisso, ela ainda vai sorrir pra mim.
Ela: Acho difícil. Ela está tendo um dia difícil.
Ele: Eu não.
Ela: Então ela te desafia.
Ele: E eu desafio ela a começar tudo de novo.
Ela olha para baixo
Ele: Oi, posso sentar aqui?
Ela sorriu
Ele: Viu, eu disse!
Ela: O quê?
Ele: Que ela tinha um lindo sorriso.

Para que serve uma relação?

® Martha Medeiros

“Uma relação tem que servir para tornar a vida dos dois mais fácil.”

Algumas pessoas mantêm relações para se sentirem integradas na sociedade, para provarem a si mesmas que são capazes de ser amadas, para evitar a solidão, por dinheiro ou por preguiça. Todos fadados à frustração.

Uma relação tem que servir para você se sentir 1009 vontades com outra pessoa, vontade para concordar com ela e discordar dela, para ter sexo sem não-me-toques ou para cair no sono logo após o jantar, pregado.

Uma relação tem que servir para você ter com quem ir ao cinema de mãos dadas, para ter alguém que instale o som novo enquanto você prepara uma omelete, para ter alguém com quem viajar para um país distante, para ter alguém com quem ficar em silêncio sem que nenhum dos dois se incomode com isso.

Uma relação tem que servir para, às vezes, estimular você a se produzir, e, quase sempre, estimular você a ser do jeito que é, de cara lavada e bonita a seu modo.

Uma relação tem que servir para um e outro se sentirem amparados nas suas inquietações, para ensinar a confiar, a respeitar as diferenças que há entre as pessoas, e deve servir para fazer os dois se divertirem demais, mesmo em casa, principalmente em casa.

Uma relação tem que servir para cobrir as despesas um do outro num momento de aperto, e cobrir as dores um do outro num momento de melancolia, e cobrirem o corpo um do outro quando o cobertor cair.

Uma relação tem que servir para um acompanhar o outro no médico, para um perdoar as fraquezas do outro, para um abrir a garrafa de vinho e para o outro abrir o jogo, e para os dois abrirem-se para o mundo, cientes de que o mundo não se resume aos dois.

UMA MULHER BONITA


O meu amigo é um fotógrafo famoso. Pediu que eu ficasse um pouco, até que ele escolhesse uma das fotos das modelos para um calendário. Olhei as fotografias, começando pelas descartadas, e parei numa que me encantou.
— Escolho essa, – eu disse sem que me perguntasse.
Ele riu.
— É a nossa faxineira, - disse. – Estava só fazendo experiências com uns jogos de luz e a usei como cobaia. Você pode entender de poesia, amigo, mas não de foto e de beleza, - brincou.
— Você pode entender de jogo de luz, e de foto, mas eu conheço o que é belo, até pelo cheiro, - eu disse.
— Que há de belo nessa foto? – ele perguntou.
— Na foto não sei. Mas a mulher é a mais bonita de todas...
Ele pegou novamente a foto, aproximou dos olhos, afastou, chegou perto da luz, e dessa vez não riu, porque percebeu que eu falava sério. Olhou-me mais uma vez, e voltou os olhos para a foto sem graça, porque me conhece, e sabe que não brinco com o que é sério. Já havíamos conversado sobre a beleza, e ele sabe que não brinco com ela. Desligou os refletores, empurrou as outras fotos, e chegou mais perto da que indiquei, depois afastou-se sempre contemplando com interesse. Nisso a faxineira apareceu na porta, e perguntou se poderia ir embora, já que terminara o serviço. Ele disse que esperasse um minutinho, que precisava falar com ela sobre um outro trabalho que tinha. Ela olhou-me de relance, e saiu.
— A sua beldade é essa aí, – ele disse meio zombando.
— E afirma a minha posição. É mais bela que na foto.
— Eu te conheço, e sei que é um belo poeta... E justamente porque é louco varrido, é que é poeta dos bons. Eu gosto muito do que faz, embora não tenha tempo de ler os teus devaneios, e acho que deveria se ocupar de coisa mais útil e rentável... Diga agora, o que é que há de bonito nessa mulher?!...
— Tudo, - eu respondi.
— Por exemplo?...
— Tudo. Amigo, não seja cego. Ela é mais bonita que todas as outras que você fotografou, e ainda pagou por isso. Você ignora a moça, justamente porque a sua beleza está escondida do padrão... Parece um poema bem feito. A beleza dela é dupla. Digamos que uma evidência e um mistério ao mesmo tempo. A evidência é obvia demais para falar dela. Mas o mistério, só pode ser percebido por quem tenha um pouco de sensibilidade, e creio que você tem, e é por isso que é o profissional que é.
Ele olhou novamente a foto. Demorou-se um pouco mais nisso.
— O quê mais? – ele perguntou.
— Amigo, a verdadeira beleza não pode ser descrita em palavras. Ela quando contemplada, faz com que o espírito se eleve de tal maneira que tudo o mais fica feio, se comparado. Essa mulher não pode ser comparada com ninguém que eu conheça. A beleza amigo, é o que vem da alma. A alma é que modela o coração. O coração é que modela o corpo. O corpo é que modela as vestes, os sapatos, as jóias, e tudo o mais que existe... Começa com a alma...
— Quanto à alma, você tem toda a razão, mas...
Ele levantou mais uma vez a foto, impressionado com o que eu dizia. Vi um gesto muito tênue de aprovação em seu rosto.
Quando eu ia sair, pediu que dissesse para a moça que ele estava chamando-a. Passei por perto dela, e dei o recado. E antes de sair, brinquei com as palavras do ladrão da cruz:
— "Lembra-te de mim quando entrares no teu reino".
— Quê?...
— Você vai ser promovida!...
Ela arregalou os olhos. Eu tinha fama de profeta. Deve ter pensado que eu brincava que iria morrer.
Pouco mais de uma semana depois, a vi na capa da primeira revista. Um mês depois, já eram muitas as capas. Depois a vi na televisão...

Um dia eu estava sem dinheiro, e fui ver se o meu amigo tinha algum pra me emprestar, e a encontrei saindo do escritório dele, e entrando em um carro caro. Não me reconheceu, ou fez que não. Eu tinha certeza que era ela. Parecia-se um pouco com a mulher que eu conhecera na foto, mas não era mais bonita como aquela, embora todos em todos os lugares no mundo dissessem o contrário.

O meu amigo recebeu-me com entusiasmo.
— Viu a nossa rainha saindo?!... Lembra quando a descobrimos?...
Balancei a cabeça que sim.
— Um espetáculo, não? E pensar que eu estava com esse tesouro aqui perto, e não sabia... Não está linda!... – disse olhando a enorme foto da modelo na parede.
Eu ri sem graça. Se insistisse, eu teria dito que a moça estava com uma pequena distorção na alma. Mas ele mudou de assunto:
— Cara, estava tentando encontrar você!... Queria que olhasse umas fotos que eu tenho. Estou precisando encontrar uma mulher bonita, e sei que você tem muita sensibilidade para isso...
Olhei as fotos que me entregou, e não encontrei nenhuma que me agradasse. Ele insistia mostrando mais e mais. Meu coração foi ficando cada vez mais triste, e tive que me despedir sem mesmo encontrar uma que sobressaísse.
E até me esqueci do dinheiro que fui tomar emprestado...

® Adelmario Sampaio

NUNCA TI VI, SEMPRE TI AMEI! - cascata.

Nunca te ví, não conheço o teu corpo,
Mas eu te sinto mesmo que estejas longe.
Não me olhei ainda na luz dos teus olhos
E nem provei o gosto da tua boca.
Mas eu te quero, mesmo sabendo que nunca te terei.

Não experimentei o teu toque e nem sequer te acariciei,
Mas sinto o teu perfume no ar.
Sucumbi à tua sedução, mesmo sabendo que nunca te encontrarei.
Nosso amor é só virtual, mas não faz mal,
Pois alma é mais do que corpo.
E, se não te tenho ao meu lado, que o vento sussurre para ti
minhas palavras de carinho.

Quero também que ele diga que alguém te ama
Do jeito que mais sabe, com tudo o que é capaz.
E se pensares no amor, e em tudo o que ele traz de felicidade
na vida, ora, isso não é nada, pois te amo muito mais!

Alma é mais do que corpo.
E minha alma seguirá sempre amando a tua,
Mesmo que nossos corpos nunca possam se encontrar.
Mas chegará o momento por alma ser mais que corpo,
Que seremos só uma alma,
Um coração e um só pensamento!


Por: Almeida Stella

HOMENS DE LENÇO

*autoria: Aldiana Doudement - PE

Onde estão os homens de lenço e a leveza de sua mão estendida???
Sempre dispostos a secar a face de uma mulher quando via
Um sentimento que escorria com gosto de água salgada
Homens finos,sempre elegantes, quase sempre usavam gravatas.

Homens que tinham sorriso terno e
Versos que de tão belos viravam melodia.
Com o perfume de seu lenço tocavam
Não só a face como a alma feminina..

Onde andam os homens de lenço
Que com passos firmes caminhavam pela vida?
Quase sempre eram discretos amantes,
Embalados por canções românticas de uma
Pureza infinita.

A dama que tivesse seu pranto secado por
Um desses lenços perfumados, se sentia
Totalmente seduzida por esse gesto de
Encanto, onde o amor é romântico
Jamais tratado com desdém ou ironia

Voltem, homens de lenço!
Queremos todo sentimento
Que o seu encanto trazia
Devolvendo ao mundo princesas de conto de fadas,
Cavalheiros envolventes que fazem novo o desejo de fantasias....

O QUE A DANÇA ENSINA


© Martha Medeiros

Reclamar do tédio é fácil, difícil é levantar da cadeira para fazer alguma coisa que nunca se fez. Pois dia desses aceitei um desafio: fiz uma aula de dança de salão. Roxa de vergonha por ter de enfrentar um professor, um espelho enorme, outros alunos e meu total despreparo. Mas a graça da coisa é esta, reconhecer-se virgem. Com soberba não se aprende nada. Entrei na academia rígida feito um membro da guarda real e saí de lá praticamente uma mulata globeleza.

Na verdade o simples prazer de dançar bastaria para justificar a prática, mas vivemos num mundo onde todos se perguntam o tempo todo “para que serve?”.

Para que serve um beijo, para que serve um ler, para que serve um pôr-do-sol?
É a síndrome da utilidade. Pois bem, dançar tem sim uma serventia. A dança nos ensina a ter confiança, se é que alguém ainda se lembra o que é isso.

Hoje ninguém confia, é verbo em desuso. Você não confia em desconhecidos e também em muitos dos seus conhecidos. Não confia que irão lhe ajudar, não

confia que irão chegar na hora marcada, não confia seus segredos, não confia seu dinheiro. Dormimos com um olho fechado e outro aberto, sempre alertas, feitos escoteiros. O lobo pode estar a seu lado, vestindo a tal pele de cordeiro.

Então, de repente, o que alguém pede de você? Que diga sim. Que escute atentamente a música. Que apóie seus braços em outro corpo. Que se deixe conduzir.

Que não tenha vergonha. Que libere seus movimentos. Que se entregue.

Qualquer um pode dançar sozinho. Aliás, deve. Meia hora por dia, quando ninguém estiver olhando, ocupe a sala, aumente o som e esqueça os vizinhos.

Mas dançar com outra pessoa, formar um par, é um ritual que exige uma espécie diferente de sintonia.

Olhos nos olhos, acerto de ritmo. Hora de confiar no que o parceiro está propondo, confiar que será possível acompanhá-lo, confiar que não se está sendo ridículo nem submisso, está-se apenas criando uma forma diferente e mágica de convivência.

Se os casais hoje, dedicassem um tempinho para dançar juntos, mesmo em casa - ou principalmente em casa – muitas discussões seriam poupadas. É uma espécie de conexão silenciosa, de pacto, um outro jeito de fazer amor.

quarta-feira, 11 de julho de 2012

A FAXINA

Estava precisando fazer uma faxina em mim...
Jogar fora alguns pensamentos indesejados,
Tirar o pó de uns sonhos, lavar alguns desejos que estavam enferrujando...
Tirei do fundo das gavetas lembranças que não uso e não quero mais.
Joguei fora ilusões, papéis de presente que nunca usei, sorrisos que nunca darei...
Joguei fora a raiva e o rancor nas flores murchas,
Guardadas num livro que não li.
Peguei meus sorrisos futuros e alegrias pretendidas e as coloquei num cantinho, bem arrumadinhas.
Fiquei sem paciência! Tirei tudo de dentro do armário e fui jogando no chão: paixões escondidas, desejos reprimidos, palavras horríveis que nunca queria ter dito, mágoas de uma amiga sem gratidão, lembranças de um dia triste...
Mas lá havia outras coisas... belas!!!
Uma lua cor de prata... os abraços... aquela gargalhada no cinema, o primeiro beijo... o pôr do sol... uma noite de amor .
Encantada e me distraindo, fiquei olhando aquelas lembranças.
Sentei no chão,
Joguei direto no saco de lixo os restos de um amor que me magoou.
Peguei as palavras de raiva e de dor que estavam na prateleira de cima - pois quase não as uso - e também joguei fora!
Outras coisas que ainda me magoam, coloquei num canto para depois ver o que fazer, se as esqueço ou se vão pro lixo.
Revirei aquela gaveta onde se guarda tudo de importante: amor, alegria, sorrisos, fé…..
Como foi bom!!!
Recolhi com carinho o amor encontrado, dobrei direitinho os desejos, perfumei na esperança, passei um paninho nas minhas metas e deixei-as à mostra.
Coloquei nas gavetas de baixo lembranças da infância; em cima, as de minha juventude, e... pendurado bem à minha frente, coloquei a minha capacidade de amar... e de recomeçar...

© Martha Medeiros

QUE ME VALHAM

Fecho os olhos e no universo propago-me, parte de mim em que antes solitária e sombria, hoje estendida em lençol macio, transparente e claro... Já não estou mais sozinha, há um Sol que me ilumina e na sua luz, eu divago... As palavras me tomam secas na garganta, quando o Sol que me acompanha me enseja a sede, inspirando para que eu me levante, diz-me que não estou sozinha, é o deserto quarando o pano para o deleite comigo, quem eu amo... A saudade faz doer, como se fosse um rever de um tempo que me domina, nem era eu tão menina, era rosa desabrochando nas manhãs que descortinam... Quisera memórias me ditassem os anos ou as folhas das páginas do que fui um dia, se foram de sonhos ou de desenganos a justificar as minhas nostalgias... Andei perdida e hoje me encontro pelos remos da poesia, a bússola me foi o balanço de jeito simples como o coração dizia, que os sinais na travessia outrora determinantes, são de relevos frisantes, que eu mesma deixei um dia...

Então que me valham...

Que me valham todos os perfumes a não saber o nome da rosa, todas elas em suas cores diferentes chegando airosas... Que me valham todas as estrelas, pois que são formosas, de perto ou distante, miúdas ou graúdas, todas elas deslumbrantes, grandiosas... Que me valham todas as asas, nas alturas ou rasteiras, como as nunca vistas antes, como as ditas costumeiras... Que me valham todos os plantios, os que alimentam e os indigestos, as ervas que a mim acalmam e as daninhas quando peco... Que me valham todo o universo da realidade criada e da medalha os reversos, quando deles eu me inspiro na soltura dos meus versos. Que me valham todas as coisas, por todos os sins, também pelos nãos, por opção das escolhas e as lutas por libertação...

Livinh@petitto

sábado, 16 de junho de 2012

VOCÊ JÁ TEVE ALGUMA DECEPÇÃO NA VIDA?

Dificilmente alguém passa pela existência sem sofrer uma desilusão, ou ter alguma surpresa desagradável em algum momento da caminhada. Podemos dizer que o sabor de uma decepção é amargo e traz consigo um punhal invisível que dilacera as fibras mais sutis da alma. Isso acontece porque nós só nos decepcionamos com pessoas em que investimos nossos sofrimentos mais puros de confiança e amor.

Pode ser um amigo, a quem entregamos o coração e que de um momento para o outro passa a ter um comportamento diferente, duvidando da nossa sinceridade, do nosso afeto, da nossa dedicação, da nossa lealdade.

Também pode ser a alma que elegemos para compartilhar conosco a vida, e que um dia chega e nos diz que o amor acabou que já não fazemos mais parte de sua história... Que outra pessoa agora ocupa o nosso lugar.

Ou alguém que escolhemos como modelo digno de ser seguido e que vemos escorregando nas valas da mentira ou da traição, desdita que nos infelicita e nos arranca lágrimas quentes e doloridas, como chama que queima sem consumir. Enfim, só os nossos amores são capazes de nos ferir com a espada da decepção, pois os estranhos não têm esse trágico poder, já que seus atos não nos causam nenhuma impressão.

Assim, valem a pena algumas reflexões a esse respeito para que não nos deixemos atingir pela cruel espada da desilusão. Para tanto, podemos começar levando em conta que, assim como nós, nossos amores também não são perfeitos. E que, geralmente, não nos prometem santidade ou eterna fidelidade. Nunca nos disseram que serão eternamente a mesma pessoa e que jamais nos causariam decepções.

Nós é que queremos que seja como os idealizamos. Assim nos iludimos. Mas só se desilude quem esta iludido. Importante que pensemos bem a esse respeito, imunizando a nossa alma com o antídoto eficaz do entendimento. Importante que usemos sempre o escudo do perdão para impedir que os atos infelizes dos outros nos causem tanto sofrimento.

Importante, ainda, que façamos uso dos óculos da lucidez, que nos permitem ver os fatos em sua real dimensão e importância, evitando dores exageradas. A ilusão é como uma névoa que nos embaraça a visão, distorcendo as imagens e os fatos que estão a nossa frente. E a decepção nada mais é do que perceber que se estava ilidido, enganado sobre algo ou alguém. Assim, se você esta amargando a dor de uma desilusão, agradeça a Deus por ter retirado dos seus olhos os empecilhos que lhe atrapalhavam a visão. Passe a gostar das pessoas como elas são e não como você gostaria que elas fossem. Considere que você também já deve ter ferido alguém com o punhal da decepção, mesmo não tendo a intenção, e talvez sem se dar conta disso.

Por todas essas razões, pense um pouco mais e espante essa tristeza do olhar... Enxugue as lágrimas e siga em frente... sem ilusões. Aprenda a valorizar nas pessoas suas marcas positivas. Lembre-se de que cada um dá o que tem o que pode oferecer. Uns oferecem o ácido da traição, o engodo da hipocrisia, o fel da ingratidão, pois é o que alimentam na alma. Mas, seja você a cultivar em seu jardim interior as flores da lealdade, do afeto, da compreensão, da honestidade, para ofertar a todos aqueles que cruzarem o seu caminho.

Seja você alguém incapaz de ferir ou provocar sofrimentos nos seres que caminham ao seu lado.

**Maktub

quarta-feira, 23 de maio de 2012

HOJE EU VOU MUDAR


*Hoje eu vou mudar!* E para não ficar apenas nas promessas, vou começar pelo mais fácil, vou mudar o caminho, vou andar por novas ruas, ver novas caras, quem sabe, começar uma nova amizade.

*Pensando em pequenas mudanças,* vou abrir mão de pequenas coisas, coisas que me incomodam e que faço automaticamente, alias, vou prestar mais atenção nos meus atos, vou ser um observador de mim mesmo.

Vou vigiar meus passos, e tentar cortar, aqueles que me levam até a decepção.

*Hoje eu vou mudar!* promessa antiga, que me faço sempre que quebro a cara, mas hoje, hoje eu quero e preciso do novo, ou quem sabe, resgatar antigos hábitos saudáveis, como ser feliz com o que tenho, valorizar as pessoas que gostam de mim como eu sou.

Valorizar a roupa que eu uso, a comida que eu como, a família que eu tenho, o amor que me acompanha, o estudo que eu conclui, a escola que eu frequento, o emprego que eu tenho...

*São tantas coisas, e tão pouco tempo para ver,* pouco tempo para o que é bom e estável, muito tempo para o que ainda não tenho, muito tempo para lamentações e dores.

Chega!

*Hoje eu vou mudar, por isso, começo o dia,* com uma prece sentida, agradecendo pela oportunidade de ter mais uma chance, de poder desejar e fazer mudanças, para fazer em mim, o ser que eu gostaria de ser, e ser livre para dizer que amo a vida, dizer para cada pessoa que eu conheço, que elas são importantes para mim, e abraçar cada um, como se fosse despedida, sendo apenas mais um dia, dia de mudar!

Eu acredito em você

© Paulo Roberto Gaefke
*Hoje eu vou mudar!* E para não ficar apenas nas promessas, vou começar pelo mais fácil, vou mudar o caminho, vou andar por novas ruas, ver novas caras, quem sabe, começar uma nova amizade.

*Pensando em pequenas mudanças,* vou abrir mão de pequenas coisas, coisas que me incomodam e que faço automaticamente, alias, vou prestar mais atenção nos meus atos, vou ser um observador de mim mesmo.

Vou vigiar meus passos, e tentar cortar, aqueles que me levam até a decepção.

*Hoje eu vou mudar!* promessa antiga, que me faço sempre que quebro a cara, mas hoje, hoje eu quero e preciso do novo, ou quem sabe, resgatar antigos hábitos saudáveis, como ser feliz com o que tenho, valorizar as pessoas que gostam de mim como eu sou.

Valorizar a roupa que eu uso, a comida que eu como, a família que eu tenho, o amor que me acompanha, o estudo que eu conclui, a escola que eu frequento, o emprego que eu tenho...

*São tantas coisas, e tão pouco tempo para ver,* pouco tempo para o que é bom e estável, muito tempo para o que ainda não tenho, muito tempo para lamentações e dores.

Chega!

*Hoje eu vou mudar, por isso, começo o dia,* com uma prece sentida, agradecendo pela oportunidade de ter mais uma chance, de poder desejar e fazer mudanças, para fazer em mim, o ser que eu gostaria de ser, e ser livre para dizer que amo a vida, dizer para cada pessoa que eu conheço, que elas são importantes para mim, e abraçar cada um, como se fosse despedida, sendo apenas mais um dia, dia de mudar!

Eu acredito em você

© Paulo Roberto Gaefke
*Hoje eu vou mudar!* E para não ficar apenas nas promessas, vou começar pelo mais fácil, vou mudar o caminho, vou andar por novas ruas, ver novas caras, quem sabe, começar uma nova amizade.

*Pensando em pequenas mudanças,* vou abrir mão de pequenas coisas, coisas que me incomodam e que faço automaticamente, alias, vou prestar mais atenção nos meus atos, vou ser um observador de mim mesmo.

Vou vigiar meus passos, e tentar cortar, aqueles que me levam até a decepção.

*Hoje eu vou mudar!* promessa antiga, que me faço sempre que quebro a cara, mas hoje, hoje eu quero e preciso do novo, ou quem sabe, resgatar antigos hábitos saudáveis, como ser feliz com o que tenho, valorizar as pessoas que gostam de mim como eu sou.

Valorizar a roupa que eu uso, a comida que eu como, a família que eu tenho, o amor que me acompanha, o estudo que eu conclui, a escola que eu frequento, o emprego que eu tenho...

*São tantas coisas, e tão pouco tempo para ver,* pouco tempo para o que é bom e estável, muito tempo para o que ainda não tenho, muito tempo para lamentações e dores.

Chega!

*Hoje eu vou mudar, por isso, começo o dia,* com uma prece sentida, agradecendo pela oportunidade de ter mais uma chance, de poder desejar e fazer mudanças, para fazer em mim, o ser que eu gostaria de ser, e ser livre para dizer que amo a vida, dizer para cada pessoa que eu conheço, que elas são importantes para mim, e abraçar cada um, como se fosse despedida, sendo apenas mais um dia, dia de mudar!

Eu acredito em você

© Paulo Roberto Gaefke

ASSEPSIA EM CINGAPURA



Sr. Lee Kuan Yew assumiu com mão de ferro o comando do país, e em seis meses, dos cerca de 500 mil presidiários sobraram somente 50. Todos os outros, criminosos confessos, foram fuzilados.

Todo homem público (político, policial, etc) corrupto foi fuzilado, pois existiam muitas provas contra eles.

Todos os empresários ladrões foram fuzilados ou fugiram rápido do país.

Aquela multidão de drogados que ficavam dormindo nas ruas, fugiram desesperados para a Malásia, para não terem que trabalhar ou seriam fuzilados.

Tinha uma mensagem de televisão onde o novo governo avisava que o país estava com câncer e que a única solução era extirpá-lo, tipo "se algum parente seu foi extirpado, compreenda, ele era um câncer para a nação".

Depois de ter feito toda a limpeza no país, reorganizado o sistema político, judiciário e penal, esse militar convocou eleições diretas e se candidatou para presidente.

Venceu as eleições com 100% dos votos.

Hoje, Cingapura é um dos países mais seguros de se morar. E um dos mais desenvolvidos, e mais seguros que os Estados Unidos, Inglaterra, ou Israel.

Já no avião, a ficha de desembarque tem um "DEAD" (morte) bem grande em vermelho e a explicação da penalidade sobre o porte de drogas. Qualquer droga.

Com zero virgula nada de cocaína encontrada, o sujeito ou é sumariamente fuzilado, ou é condenado a prisão perpétua com trabalhos forçados..

Um surfista brasileiro, tentou entrar em Cingapura com uma prancha de surf recheada de cocaína. Óbvio que ele determinou sua própria morte. E a mãe do jovem traficante apareceu na TV pedindo para o Lula interceder pelo filho. Não adiantou nada. Nem mãe, nem Lula, nem protestos evitaram o cumprimento da lei.

Nos hotéis, os "Guias da Cidade" tem uma página explicando que a polícia de Cingapura garante a integridade física de qualquer mulher 24 horas por dia (isso porque na antiga Cingapura, sem lei e ordem, as mulheres que saíam sozinhas eram estupradas e ou mortas) O chiclete é proibido em Cingapura, pelo simples fato de que, se jogados no chão sujam as calçadas da cidade. Distribuir panfletos, sem chance. Só em lojas e não devem ser entregues as pessoas, que, se os quiserem pegam-os em uma gôndola ou suporte. Jogar no chão então... dá multa cara.

Ano retrasado, a secretária local de um amigo, que estava fazendo um trabalho por lá, foi seguida pela polícia desde sua casa até o trabalho. Quando chegou no trabalho ligou a seta do carro para entrar no prédio, a polícia deu-lhe sinal para que ela parasse. Um dos policiais veio até a janela do seu carro e disse: "Como a Sra. sabe, estamos fazendo uma campanha de civilidade no trânsito. Multando os infratores e dando bônus a quem dirige corretamente. E a Sra., em todo o trajeto da sua casa até aqui, não cometeu nenhuma infração. Parabéns! Aqui está um cheque de 100 dólares cingapurianos (equivalente a cerca de R$ 128,00) e pediria para a Sra. assinar o recibo, por favor.

Pelo visto o Brasil tem SOLUÇÃO...
Mas, a população diminuiria muito, muito mesmo.

(Presente de Maria Tereza Prates)

domingo, 22 de abril de 2012

LINHAS PARA VIVER- Eu gosto muito de Você



1. Gosto de você não por quem você é, mas por quem sou quando estou contigo.

2. Ninguém merece tuas lágrimas, e quem as merece não te fará chorar.

3. Só porque alguém não te ama como você quer, não significa que este alguém não te ame com todo o seu ser.

4. Um verdadeiro amigo é quem te pega pela mão e te toca o coração.

5. A pior forma de sentir falta de alguém é estar sentado a seu lado e saber que nunca vai poder tê-lo.

6. Nunca deixes de sorrir, nem mesmo quando estiver triste, porque nunca se sabe quem pode se apaixonar por teu sorriso.

7. Pode ser que você seja somente uma pessoa para o mundo, mas para uma pessoa você seja o mundo.

8. Não passe o tempo com alguém que não esteja disposto a passar o tempo contigo.

9. Quem sabe Deus queira que você conheça muita gente errada antes que conheças a pessoa certa, para que quando afinal conheça esta pessoa saibas estar agradecido.

10. Não chores porque já terminou, sorria porque aconteceu.

11. Sempre haverá gente que te machuque, assim que o que você tem que fazer é seguir confiando e só ser mais cuidadoso em quem você confia duas vezes.

12. Converta-se em uma pessoa melhor e tenha certeza de saber quem você é antes de conhecer alguém e esperar que essa pessoa saiba quem você é.

13. Não se esforce tanto, as melhores coisas acontecem quando menos esperamos.
Gabriel García Marquez

Clarice Lispector - Não te amo mais



Na semana do Dia dos Namorados, nada melhor do que este genial poema de Clarice que, lido de cima para baixo serve para os desiludidos e, lido de baixo para cima para os apaixonados. Escolha a sua interpretação...

Não te amo mais
Não te amo mais
Estarei mentindo dizendo que
Ainda te quero como sempre quis
Tenho certeza que
Nada foi em vão
Sinto dentro de mim que
Você não significa nada
Não poderia dizer mais que
Alimento um grande amor
Sinto cada vez mais que
Já te esqueci!
E jamais usarei a frase
Eu te amo!
Sinto, mas tenho que dizer a verdade
É tarde demais...

sábado, 21 de abril de 2012

MINIMAMENTE FELIZ -*Leila Ferreira - Jornalista



A felicidade é a soma das pequenas felicidades. Li essa frase num outdoor em Paris e soube, naquele momento, que meu conceito de felicidade tinha acabado de mudar. Eu já suspeitava que a felicidade com letras maiúsculas não existia, mas dava a ela o benefício da dúvida.

Afinal, desde que nos entendemos por gente aprendemos a sonhar com essa felicidade no superlativo. Mas ali, vendo aquele outdoor estrategicamente colocado no meio do meu caminho (que de certa forma coincidia com o meio da minha trajetória de vida), tive certeza de que a felicidade, ao contrário do que nos ensinaram os contos de fadas e os filmes de Hollywood, não é um estado mágico e duradouro.

Na vida real, o que existe é uma felicidade homeopática, distribuída em conta-gotas. Um pôr-de-sol aqui, um beijo ali, uma xícara de café recém-coado, um livro que a gente não consegue fechar, um homem que nos faz sonhar, uma amiga que nos faz rir. São situações e momentos que vamos empilhando com o cuidado e a delicadeza que merecem alegrias de pequeno e médio porte e até grandes (ainda que fugazes) alegrias.

'Eu contabilizo tudo de bom que me aparece', sou adepta da felicidade homeopática. 'Se o zíper daquele vestido que eu adoro volta a fechar (ufa!) ou se pego um congestionamento muito menor do que eu esperava, tenho consciência de que são momentos de felicidade e vivo cada segundo.

Alguns crescem esperando a felicidade com maiúsculas e na primeira pessoa do plural: 'Eu me imaginava sempre com um homem lindo do lado, dizendo que me amava e me levando pra lugares mágicos Agora, se descobre que dá pra ser feliz no singular: 'Quando estou na estrada dirigindo e ouvindo as músicas que eu amo, é um momento de pura felicidade. Olho a paisagem, canto, sinto um bem-estar indescritível'..

Uma empresária que conheci recentemente me contou que estava falando e rindo sozinha quando o marido chegou em casa. Assustado, ele perguntou com quem ela estava conversando: 'Comigo mesma', respondeu. 'Adoro conversar com pessoas inteligentes'.

Criada para viver grandes momentos, grandes amores e aquela felicidade dos filmes, a empresária trocou os roteiros fantasiosos por prazeres mais simples e aprendeu duas lições básicas: que podemos viver momentos ótimos mesmo não estando acompanhadas e que não tem sentido esperar até que um fato mágico nos faça felizes.

Esperar para ser feliz, aliás, é um esporte que abandonei há tempos. E faz parte da minha 'dieta de felicidade' o uso moderadíssimo da palavra 'quando'. Aquela história de 'quando eu ganhar na Mega Sena', 'quando eu me casar', 'quando tiver filhos', 'quando meus filhos crescerem', 'quando eu tiver um emprego fabuloso' ou 'quando encontrar um homem que me mereça', tudo isso serve apenas para nos distrair e nos fazer esquecer da felicidade de hoje.

Esperar o príncipe encantado, por exemplo, tem coisa mais sem sentido? Mesmo porque quase sempre os súditos são mais interessantes do que os príncipes; ou você acha que a Camilla Parker-Bowles está mais bem servida do que a Victoria Beckham?
Como tantos já disseram tantas vezes, aproveitem o momento, amigos. E quem for ruim de contas recorra à calculadora para ir somando as pequenas felicidades.

Podem até dizer que nos falta ambição, que essa soma de pequenas alegrias é uma operação matemática muito modesta para os nossos tempos. Que digam.

Melhor ser minimamente feliz várias vezes por dia do que viver eternamente em compasso de espera.

Amor discreto Marilda Diorio



Quando seus olhos tocam-me a alma
e suas mãos deslizam em carinhos,
transmitindo a suavidade das pétalas
em meu corpo,
meu coração em ebulição,
emana a reciprocidade
desse amor bem-vindo.

Ao caminhar diante da beleza da lua
em noites de cumplicidade infinda,
vem a certeza da beleza da vida
que transborda de felicidade
este discreto amor.

Vida translúcida,
impregnada de serenidade,
de sonhos erguidos em castelos de carinhos,
são o prenúncio,
da realização de um final feliz.

Na melodia suave, que brinda
o encontro de nossos olhares,
dizem tudo de um amor
que não necessita de palavras,
nem de palco alheio
para o nosso representar.

Amor discreto, amor de sonhos,
amor de quimeras,
amor absoluto e verdadeiro,
caminhando na alameda
do amadurecimento da vida
em direção à luz da eternidade

sexta-feira, 20 de abril de 2012

PENSANDO EM VOCÊ - Lara Brandão


Há tempos não penso em você!
Onde estará tudo que senti?
Onde estará os sonhos que sonhei?
Sentimentos manifestados pela vida que o tempo apagou.

Amores nunca deveriam ter fim
Deveriam ser renovados pelo tempo
Solidificados nos sonhos sonhados
Idealizados pelo amor que vivemos.

Mas... Porque tem sempre um “mas” em histórias assim?!
Porque são finalizados muitas vezes com palavras vis?
Tudo que um dia o coração traduziu
Como o mais profundo do amor?

Queria que a nossa história fosse eterna, sagrada
Que vida não mudasse os sentimentos
Que o amor idealizado por outrora
Não fossem hoje lembranças amareladas pelo tempo.

SABEDORIA DE AVÓ


Quando eu for bem velhinha, espero receber a graça de, num dia de domingo, me sentar na poltrona da biblioteca e, bebendo um cálice de Porto, dizer a minha neta:
- Querida, venha cá. Feche a porta com cuidado e sente-se aqui ao meu lado. Tenho umas coisas pra te contar.
E assim, dizer apontando o indicador para o alto:
- O nome disso não é conselho, isso se chama colaboração!
Eu vivi, ensinei, aprendi, caí, levantei e cheguei a algumas conclusões.
E agora, do alto dos meus 82 anos, com os ossos frágeis a pele mole e os cabelos brancos, minha alma é o que me resta de saudável e forte.
Por isso, vou colocar mais ou menos assim:
É preciso coragem para ser feliz. Seja valente!
Siga sempre seu coração. Para onde ele for, seu sangue, suas veias e seus olhos também irão.
E satisfaça seus desejos. Esse é seu direito e obrigação.
Entenda que o tempo é um paciente professor que irá te fazer crescer, mas escolha entre ser uma grande menina ou uma menina grande, vai depender só de você.
Tenha poucos e bons amigos. Tenha filhos. Tenha um jardim.
Aproveite sua casa, mas vá a Fernando de Noronha, a Barcelona e a Austrália.
Cuide bem dos seus dentes.
Experimente, mude, corte os cabelos. Ame. Ame pra valer, mesmo que ele seja o carteiro.
Não corra o risco de envelhecer dizendo "ah, se eu tivesse feito..."
Tenha uma vida rica de vida.
Vai que o carteiro ganha na loteria - tudo é possível, e o futuro é imprevisível.
Viva romances de cinema, contos de fada e casos de novela.
Faça sexo, mas não sinta vergonha de preferir fazer amor.
E tome conta sempre da sua reputação, ela é um bem inestimável.
Porque sim, as pessoas comentam, reparam, e se você der chance elas inventam também detalhes desnecessários.
Se for se casar, faça por amor. Não faça por segurança, carinho ou status.
A sabedoria convencional recomenda que você se case com alguém parecido com você, mas isso pode ser um saco!
Prefira a recomendação da natureza, que com a justificativa de aperfeiçoar os genes na reprodução, sugere que você procure alguém diferente de você. Mas para ter sucesso nessa questão, acredite no olfato e desconfie da visão. É o seu nariz quem diz a verdade quando o assunto é paixão.
Faça do fogão, do pente, da caneta, do papel e do armário, seus instrumentos de criação.
Leia. Pinte, desenhe, escreva. E por favor, dance, dance, dance até o fim, se não por você, o faça por mim.
Compreenda seus pais. Eles te amam para além da sua imaginação, sempre fizeram o melhor que puderam, e sempre farão.
Não cultive as mágoas, porque se tem uma coisa que eu aprendi nessa vida é que um único pontinho preto num oceano branco deixa tudo cinza.
Era só isso minha querida. Agora é a sua vez. Por favor, encha mais uma vez minha taça e me conte: como vai você?

Maria Sans Martins

INTRUSO - Marina Luna


"Você é mesmo muito mal educado, abriu as portas do meu coração e nem perguntou nada, foi logo entrando. Você não teve medo e muito menos vergonha, chegou entrou, sentou, tomou um cafezinho e disse: que foi? porque tá me olhando assim?
Você não tem um pingo de educação mesmo. Você não perguntou nada, não enrolou, não ficou preocupado, você sempre foi assim: Chega, faz e pronto, vai embora. E depois vem com aqueles sorrisos inocentes que me fazem desmoronar e começa tudo de novo. Por isso que eu te detesto. Logo eu, que sempre quiz as coisas no lugar, aí você vem bagunça tudo, parece que essa é sua mania. Logo eu, que sempre gostei dos homens educados, logo eu que sempre quiz tudo no lugar certo e na hora certa, com você não tenho horários, não tem lugar certo e muito menos palavras certas, você não pensa, você faz; parece até que eu sou a razão e você a emoção, ou talvez seja o contrário. Quer saber, não sei nada de você, não só porque você não diz mas porque quando estou com você eu nunca quero saber mesmo. Parece um louco e ver sua loucura me deixa louca também, como uma doença contagiosa. Tocou, passou e pronto, fico doente também até não estarmos mais juntos, aí minha sanidade volta e meu mundo volta a girar também. Como você consegue? Como consegue sorrir e trazer o céu pra mim? como consegue que eu te ame mesmo sendo tudo que eu mais odeio? como consegue pegar uma estrela como se estivesse pegando uma bola? como consegue bricar como uma criança e sorrir feito um adulto? Como você consegue manipular cada sentimento meu e principalmente fazer eu te querer cada vez mais? Como você consegue fazer tudo tão perfeitamente bem sem nem pensar no que está fazendo? Vou admitir uma coisa, de tanto entrar sem pedir, fazer sem consultar, abrir o que estava fechado vou acabar ficando louca, como você. E eu detesto a possibilidade de ser como você, de agir como você, tão eternamente mal educado. Mas quer saber? você quem me fez assim, você me transformou. Tão patético dizer isso, mas eu já mudei, já peguei a tal doença e ela não vai mais sair quando você se afastar. O que vou fazer? me odiar também?Você é ridiculo e muito patético. Nunca mais faça isso com mais ninguém está ouvindo? Nunca mais entre sem permissão na casa de ninguém. Deixe de ser mal educado e espere ser convidado. Eu sou mesmo uma tola, me deixei levar. Era para eu ter tirado você a pontapés, afinal, eu tenho direito. Ninguém mandou você entrar sem ser convidado mesmo. Meu coração agora depende das suas invasões, das suas chegadas inesperadas, dos seus sorrisos inocentes, dos seus olhares encantadores, dos seus desvaneios e principalmente dessa falta de educação que eu odeio, mas que amo tanto. Mas por favor, tente ser educado pelo menos na hora de sair, feche a porta para eu não sentir falta, não deixe buracos, não deixe o sofá e nem o café esperando, avise-os que não irá voltar nunca mais..."
Marina Luna

CARTA DE GARRET - Filme uma carta de amor



Minha querida Catherine, sinto a tua falta meu amor, como a sinto sempre, mas hoje está a ser particularmente difícil para mim porque o oceano tem estado a cantar para mim, e a canção é a da nossa vida juntos...Lamento ter estado tanto tempo sem falar contigo, sinto que andei perdido, sem rota nem bússola. Deixava-me ir ao encontro das coisas, sentia-me elouquecer. Nunca me tinha sentido perdido, tu eras o meu verdadeiro Norte. Quando tu eras o meu porto, eu sabia sempre voltar para casa. Perdoa ter ficado tão zangado quando partiste, continuo a achar que isto foi um erro e estou à espera que Deus o corrija. Mas já ando melhor, o trabalho ajuda-me, acima de tudo tu ajudas-me! Ontem à noite apareceste-me em sonhos com aquele sorriso que sempre me prendeu a ti e me consolou. Do sonho restou apenas uma sensação de paz... acordei com essa sensação e tentei conservá-la o mais possível. Escrevo para te dizer que estou a trabalhar para alcançar essa paz, e para te dizer que lamento tantas coisas. Lamento não ter tratado melhor de ti. Para que nunca sentisses frio, medo, para que nunca te sentisses doente. Lamento não me ter esforçado mais por te dizer o que sentia, Lamento todas as vezes que discuti contigo, lamento não te ter pedido mais vezes desculpa , era demasiado orgulhoso. Lamento não ter elogiado tudo aquilo que vestias e todos os teus penteados. Lamento não ter tido forças para te agarrar e impedir que Deus te afastasse de mim.Não passa uma hora sem que te sinta comigo. Arranjo barcos, experimento-os, e enquanto isso, as memórias sobrevêem, como uma maré. Hoje Lembrei-me de quando éramos novos, e tu trocatse o nosso mundo por outro maior. Tive muito mais medo do que deixei transparecer, lutei contra ele dizendo para comigo que um dia voltarias e imaginando o que te diria quando voltasse a ver-te. Devo ter considerado uma centena de possibilidades. E o que acaba por dizer? Pouco! A minha boca recusou-se a trabalhar excepto para te beijar, e quando disseste: “Vim para ficar”, ficou tudo dito, voltei ao mesmo.Não paro de pensar no que te diria, se tu arranjasses forma de voltar.





"Acabou por morrer quando ia entregar a ultima carta a Catherine, em alto mar..."Comecei a viver quando te encontrei e dei-me por morto quando não consegui salvar-te. Julguei que podia manter-nos vivos se me agarrasse à tua memória, mas enganei-me. Uma mulher mostrou-me que se tivesse a coragem de sentir, poderia voltar a amar por muito profunda que fosse a minha vida. Ela fez-me compreender que eu estava apenas meio vivo. Isso assustou-me e fez-me sofrer. Só percebi quanto precisava dela quando a vi desaparecer. Quando o avião dela descolou, senti que algo dentro de mim se rasgava e percebi. Devia ter ido atrás dela. Amanhã vou até ao cabo ventoso e vou despedir-me de ti. E deopis vou ter com ela e vou tentar reconquistá-la. Se o conseguir sei que me abençoas e que nos abençoas a todos, se não conseguir, serei igualmente abençoado, pois tive o privilégio de amar duas vezes. Graças a ela! E se te disser que a amo tanto quanto te amei, ficas a saber tudo."

EU APRENDI -(William Shakespeare)



Eu aprendi ...
Que a melhor sala de aula do mundo está aos pés de uma pessoa mais velha;
Eu aprendi ...
Que quando você está amando dá na vista;
Eu aprendi ...
Que basta uma pessoa me dizer "Você faz meu dia" para que ele se ilumine;
Eu aprendi ...
Que ter uma criança adormecida em seus braços é um dos momentos mais pacíficos do mundo;
Eu aprendi ...
Que ser gentil é mais importante do que estar certo;
Eu aprendi ...
Que nunca se deve negar um presente a uma criança;
Eu aprendi ...
Que eu sempre posso orar por alguém, quando não tenho a força para ajudá-lo de alguma outra forma;
Eu aprendi ...
Que não importa quanta seriedade a vida exija de você, cada um de nós precisa de um amigo brincalhão para se divertir junto;
Eu aprendi ...
Que algumas vezes tudo o que precisamos é de uma mão para segurar e de um coração para nos entender;
Eu aprendi ...
Que os passeios simples com meu pai, em volta do quarteirão nas noites de verão quando eu era criança, fizeram maravilhas por mim quando me tornei adulto;
Eu aprendi ...
Que a vida é como rolo de papel quanto mais perto do fim mais rápido acaba;
Eu aprendi ...
Que deveríamos ser gratos a Deus por não nos dar tudo que lhe pedimos;
Eu aprendi ...
Que dinheiro não compra "classe";
Eu aprendi ...
Que são os pequenos acontecimentos diários que tornam a vida espetacular;
Eu aprendi ...
Que debaixo da "casca grossa" existe uma pessoa que deseja ser apreciada e amada;
Eu aprendi ...
Que Deus não fez tudo num só dia. O que me faz pensar que eu possa?
Eu aprendi ...
Que ignorar o fato não os altera;
Eu aprendi ...
Que quando você planeja se nivelar a alguém, apenas está permitindo que essa pessoa continue a magoar;
Eu aprendi ...
Que o AMOR, e não o TEMPO, é que cura todas as feridas;
Eu aprendi ...
Que a maneira mais fácil para eu crescer como pessoa é me cercar de gente mais inteligente do que eu;
Eu aprendi ...
Que cada pessoa que a gente conhece deve ser saudada com um sorriso;
Eu aprendi ...
Que ninguém é perfeito, até que você se apaixone por essa pessoa;
Eu aprendi ...
Que a vida é dura, mas eu sou mais ainda;
Eu aprendi ...
Que as oportunidades nunca são perdidas.
Alguém vai aproveitar as que você perdeu;
Eu aprendi ...
Que quando o ancoradouro se torna amargo a felicidade vai aportar em outro lugar;
Eu aprendi ...
Que eu gostaria de ter dito a minha mãe que a amava, uma vez mais, antes dela morrer;
Eu aprendi ...
Que devemos ter sempre palavras doces e gentis, pois amanhã talvez tenhamos que engoli-las;
Eu aprendi ...
Que um sorriso é a maneira mais barata de melhorar sua aparência;
Eu aprendi ...
Que não posso escolher como me sinto, mas posso escolher o que fazer a respeito;
Eu aprendi ...
Que todos querem viver no topo da montanha, mas toda felicidade é crescimento e ocorre quando você está escalando-a;
Eu aprendi ...
Que só se deve dar conselhos em duas ocasiões; quando é pedido ou caso de vida ou morte;
Eu aprendi ...
Que quanto menos tempo tenho, mais coisas consigo fazer.

(William Shakespeare)

CANÇÃO DAS MULHERES


Que o outro saiba quando estou com medo, e me tome nos braços sem fazer perguntas demais.

Que o outro note quando preciso de silêncio e não vá embora batendo a porta, mas entenda que não o amarei menos porque estou quieta.

Que o outro aceite que me preocupo com ele e não se irrite com minha solicitude, e se ela for excessiva saiba me dizer isso com delicadeza ou bom humor.

Que o outro perceba minha fragilidade e não ria de mim, nem se aproveite disso.

Que se eu faço uma bobagem o outro goste um pouco mais de mim, porque também preciso poder fazer tolices tantas vezes.

Que se estou apenas cansada o outro não pense logo que estou nervosa, ou doente, ou agressiva, nem diga que reclamo demais.

Que o outro sinta quanto me dóia idéia da perda, e ouse ficar comigo um pouco - em lugar de voltar logo à sua vida.

Que se estou numa fase ruim o outro seja meu cúmplice, mas sem fazer alarde nem dizendo ''Olha que estou tendo muita paciência com você!''

Que quando sem querer eu digo uma coisa bem inadequada diante de mais pessoas, o outro não me exponha nem me ridicularize.

Que se eventualmente perco a paciência, perco a graça e perco a compostura, o outro ainda assim me ache linda e me admire.

Que o outro não me considere sempre disponível, sempre necessariamente compreensiva, mas me aceite quando não estou podendo ser nada disso.

Que, finalmente, o outro entenda que mesmo se às vezes me esforço, não sou, nem devo ser, a mulher-maravilha, mas apenas uma pessoa: vulnerável e forte, incapaz e gloriosa, assustada e audaciosa - uma mulher.

© Lya Luft

(Presente de Rita Maria - Uberlândia)

CANÇÃO DOS HOMENS


Que quando chego do trabalho
ela largue por um instante o que estiver fazendo
- filho, panela ou computador -
e venha me dar um beijo como os de antigamente.

Que quando nos sentarmos à mesa para jantar
ela não desfie a ladainha dos seus dissabores domésticos.
E se for uma profissional,
que divida comigo o tempo de comentarmos nosso dia.

Que se estou cansado demais para fazer amor,
ela não ironize nem diga que " até que durou muito"
o meu desejo ou potência.

Que quando quero fazer amor
ela não se recuse demasiadas vezes,
nem fique impaciente ou rígida,
mas cálida como foi anos atrás.

Que não tire nosso bebê dos meus braços
dizendo que homem não tem jeito pra isso,
ou que não sei segurar a cabecinha dele,
mas me ensine docemente se eu não souber.

Que ela nunca se interponha entre mim e as crianças,
mas sirva de ponte entre nós
quando me distancio ou me distraio demais.

Que ela não me humilhe
porque estou ficando calvo ou barrigudo,
nem comente nossas intimidades com as amigas,
como tantas mulheres fazem.

Que quando conto uma piada para ela
ou na frente de outros,
ela não faça um gesto de enfado dizendo
" Essa você já me contou umas mil vezes".

Que ela consiga perceber
quando estou preocupado com trabalho,
e seja calmamente carinhosa,
sem me pressionar para relatar tudo,
nem suspeitar de que já não gosto dela.

Que quando preciso ficar um pouco quieto
ela não insista o tempo todo
para para que eu fale ou a escute,
como se silêncio fosse falta de amor.

Que quando estou com pouco dinheiro
ela não me acuse de ter desperdiçado
com bobagens em lugar de prover minha família.

Que quando eu saio para o trabalho de manhã
ela se despeça com alegria,
sabendo que mesmo de longe
eu continuo pensando nela.

Que quando estou trabalhando
ela não telefone a toda hora
para cobrar alguma coisa que esqueci
de fazer ou não tive tempo.

Que não se insinue com minha secretária ou colega
para descobrir se tenho amante.

Que com ela eu também
possa ter momentos de fraqueza e de ternura,
me desarmar, me desnudar de alma,
sem medo de ser criticado ou censurado:
que ela seja minha parceira,
não minha dependente nem meu juiz.

Que cuide um pouco de mim como minha mulher,
mas não como se eu fosse uma criança tola
e ela a mãe, a mãe onipotente,
que não me transforme em filho.

Que mesmo com o tempo, os trabalhos,
os sofrimentos e o peso do cotidiano,
ela não perca o jeito terno e divertido
que tanto me encantou quando a vi pela primeira vez.

Que eu não sinta que me tornei
desinteressante ou banal para ela,
como se só os filhos e as vizinhas
merecessem sua atenção e alegria.

E que se erro,
falho,
esqueço,
me distancio,
me fecho demais,
ou a machuco consciente ou inconscientemente,

Ela saiba me chamar de volta
com aquela ternura que só nela eu descobri,
e desejei que não se perdesse nunca,
mas me contagiasse e me tornasse mais feliz,
menos solitário, e muito mais humano.

© Lya Luft