domingo, 19 de setembro de 2010

UMA CARTA DE AMOR


Apesar das dores que você me causou
e das feridas que em minh'alma abriu
meu coração já o perdoou
e em busca de outro rumo já seguiu.

Eu confesso que foi difícil me conformar
quando percebi que você ia me deixar.
É, eu soube com antecedência
que teria que enfrentar a sua ausência.

Foi ficando cada vez mais difícil você carregar
uma história que não tinha mais pernas pra caminhar
e desculpas você já não tinha para me dar.
Confesso, eu fui deixando rolar
mesmo sabendo que logo tudo iria terminar.

Nunca vou saber se você sofreu
tanto, menos ou até mais do que eu
por termos nos separado,
esse segredo com você ficará guardado.

Quanto a mim o sofrimento foi tão profundo
que eu me perdi dentro do meu mundo,
eu tive vontade de desaparecer
para aliviar o meu sofrer.

Houve dias que ao acordar
eu achei que da cama não conseguiria levantar
e o pior é que precisava disfarçar
pois com ninguém eu podia conversar.

Você sabe a vergonha que eu tinha de revelar
por tudo que eu estava passando
por isso fui obrigada a me calar
e a vida, aos olhos dos outros, continuar levando.

Meus sorrisos nunca se apagaram,
a duras penas cada vez mais eles se iluminaram
mas meu corpo, a quem bem me conhece, revelou
que dentro de mim um grande sonho naufragou.

A gente disfarça até onde pode disfarçar,
engana até onde consegue enganar
mas existe um limite dentro de nós
que é impossível de driblar.

Pode não parecer, mas isso é uma carta de amor
e está sendo escrita em cima de uma dor
que tenho tentado muito curar,
mas entendo que ela precisa de tempo para acalmar.

Penso que se nas horas alegres eu lhe escrevi
então eu tinha o direito de vir aqui
falar também da minha tristeza
e dos meus momentos de fraqueza.

Não me envergonho por tê-lo amado,
por ter de corpo e alma me entregado,
não me arrependo de ter sonhado
e com seus sonhos ter colaborado.

Não pretendo riscar do meu coração
um verdadeiro sentimento
que foi paz, alegria e solução
durante um longo tempo.

Escrevi essa carta também pra lhe contar
que ouvi em algum lugar
algo que não pude deixar de registrar;

"a separação também pode ser
parte de uma história de amor"

e se essa história foi só minha,
com certeza, também foi a dor,
mas o que importa
é que eu intensamente a vivi
e disso não me arrependi.

O que importa é que a tristeza persiste
mas, como eu já disse,
enfim eu o perdoei
porque sem lhe dar o perdão
viver para mim
seria um ato de destruição.


Autoria - Silvana Duboc
20/11/2007
Postar um comentário