sábado, 4 de setembro de 2010

NOS MEUS 40 ANOS


Eu aprendi que a dança do amor
a gente dança aos sessenta, como se tivesse quinze,
mesmo que as pernas já não
sejam as mesmas,
porque esse é o maior milagre que
o amor realiza: ele vive num tempo
sem tempo ...
Eu aprendi que a gente pode até
perder os sonhos ao longo dos
caminhos, porque quem disser
que depende dos sonhos para
amar, não conhece a contramão
dessa via: é justamente quem
ama, aquele que se faz sonhador !
Eu aprendi que as agruras da vida
dilaceram, machucam, rasgam o
coração em milhões de pedaços,
mas o amor sempre o refaz e
o apresenta inteiro, pleno e intacto
para uma outra vez ...
Eu aprendi que há velhos aos dezesseis
e jovens aos noventa, porque a vida é
apenas uma passagem, e o amor
não depende de nada e de ninguém:
ele é o alimento primordial,
é a reverência da alma por tudo
quanto existe e quanto a inspire !
Eu acredito e sinto que o amor é
o anestésico, a superação e
a sabedoria vencendo a solidão .
É ...
eu acredito que o amor é isso.
E mesmo que o resto do mundo diga
que eu não estou certa, ainda assim,
isso não precisa significar que eu
esteja errada ...
Para mim, o amor entre duas pessoas
é uma conspiração do invisível .
Sim,
eu realmente acredito que
o amor não tem idade,
que as ilusões são estrelas para as noites sem lua
e a juventude é o quanto de vida cabe dentro de
cada um.

© Melliss**
(19/03/2002)

http://www.
Postar um comentário