terça-feira, 17 de fevereiro de 2009

Um médico chamado Jaime Smith era a favor da eutanásia. Certa vez foi chamado para fazer um parto muito difícil, numa casa muito pobre. Após várias ho


Um médico chamado Jaime Smith era a favor da eutanásia. Certa vez foi chamado para fazer um parto muito difícil, numa casa muito pobre. Após várias horas de trabalho, nasceu um menino. Mas, viu que ele tinha um pé para trás. Imediatamente pensou: "Esta senhora é muito pobre e já tem 8 filhos, como é que esta criança vai se desenvolver neste estado de pobreza? Se eu der uma injeção nesse bebê agora e matá-lo vou acabar com todos os problemas que eles poderiam ter".
Então tirou da maleta uma seringa e a preparou. Quando já ia aplicá-la na criança, escutou uma voz que dizia: "Quem é você para decidir o destino desta criança? Com que direito você quer tirar uma vida?”
Apavorado, largou a seringa, receitou alguns remédios e foi embora.
Passaram-se alguns anos. Num certo dia sua filha foi com o esposo a uma festa. Ao retornarem, começou a chover. O carro derrapou e bateu, matando a ambos. O médico passou então a cuidar da neta, a única pessoa da família que lhe restara.
Quando esta tinha 3 anos, adoeceu de uma enfermidade sem cura. Aí começou uma verdadeira correria para ver se a salvava. Procurava com vários colegas de todas as partes do mundo uma solução para o problema da neta e não conseguia a cura. Até que um dia, conversando com um colega, este lhe disse que tinha ouvido falar de um médico de uma cidadezinha do interior que estava fazendo experiências muito avançadas sobre a tal doença.
Imediatamente pôs-se a caminho para conhecê-lo. Chegando à tal cidadezinha, o colega explicou-lhe que as experiências ainda eram iniciantes, sem garantia de cura. O Dr. Jaime Smith resolveu arriscar assim mesmo e começou o tratamento, o qual, felizmente, foi coroado de êxito. Ao final, agradeceu o colega: "Sinceramente, não sei como pagar por tudo o que você fez pela minha neta". O médico simples do interior então lhe diz: "Lembra de um parto difícil que o Sr. fez numa cidade muito pobre, numa mulher de idade, cujo bebê nascera com um pé para trás? Pois é, Dr., sou eu aquele bebê. Foi o Sr. que me trouxe ao mundo. Por isso é que tenho o nome de Smith. É em sua homenagem. Por isso não precisa me agradecer de nada.
enviada por ManBlac
Postar um comentário