domingo, 21 de fevereiro de 2010

JÁ FUI


Eu sei que daqui a alguns anos, meu tempo será outro, mas sei também que terei transformado minhas derrotas e conquistas em aprendizado, e com isso, transformado esse “aprendizado” em sabedoria.


Por muitas vezes...Fui de encontro, e não abracei.

Pensei em falar, e não fui capaz em dizer.

Já tive idéias, e não tive coragem para concretizar.

Tentei ver, mas não foi o suficiente para enxergar.

me curvei diante de grandes amores.

Já roguei praga aos mal feitores.

Já tive lindos sonhos e fiz pouco caso.

Já tive sonhos de amor que, com o passar do tempo, tornaram-se terror.

Já fui anjo e demônio.

Já fui sol e lua.

Já fui amarga como fel e doce como mel.

Já fui sol na escuridão e cinza em dias de sol.

Já me perdi na emoção esquecendo toda minha razão.

Já fui razão apenas quando a emoção gritava por socorro.

Já fui tempestade em tempos de estiagem.

Já fui tranqüilidade em épocas de turbulência.

Já fui personagem principal de uma história perfeita.

Já fui vilã em filmes de horror.

Já tive sonhos de fortuna e recebi esmolas.

Já recebi esmolas e as transformei em tesouro.

Já provoquei com a intenção de seduzir.

Já seduzi sem a intenção de provocar.

Já sofri e fui humilhada, mas já bati com a intenção de me sentir vingada.

Já fui às nuvens e voltei, mas também conheci o inferno e senti medo.

Já fui um pouco de nada e um pouco de tudo.

E hoje?

Hoje sei que sou capaz de andar, e com esse meu “andar”, fazer longas caminhadas, e com esse meu “caminhar”, vou trilhando uma longa estrada, confiante.

Não sei nadar, não sei voar, mas consigo levitar e sentir...sentir minha alma leve.

Quando vejo pessoas, não menosprezo e nem dignifico, apenas penso....”elas precisam ‘ser’ e não ‘ter’”. O “ter” é vazio e o “ser” é, simplesmente, grandioso demais.Texto de Vanessa Pena
Postar um comentário